InícioFAQProcurarPortalMembrosRegistarEntrar
 

 Bar de Cumberland

Ir para baixo 
+51
Lars Klein Hoffmeister
Melody Climm
Nate Habsburg McBride
Aysel Hool Schmidth
Alécia E. Chase Rosenberg
Bart van der Maas
Candice MacFusty Ziegler
Chicago Sinclair Dallas
Zöe Campbell Hunter
Esther Wright Schmidth
Hemera A. Blackthorn
Pandora M. Morgenstern
Alex Schmidth Gremory
Corina Kwon Lynden
Alice Pearl Holmes
Ártemis Donati Rewards
Antwon McBride Salvatore
Maya Hool Ludwing
Balthier H. McAllister
Allison Chandler McCready
Jamie Sawyer McGrath
Gianluca Ziani Salvatore
Anna Schreave-Casiraghi
Otto Donati Nottingham
Ezreal Brandt Lymere
Ginn Evanne K. McCready
Ágatha Merle J. Kosey
Andy Holstein Stryder
Arthur O. Belmonte
Lyza Ziegler Wernersbach
Francesca Olsen Howard
Jasper Biers Howard
Alessa Azalee
Harper von Ziegler
Liam Chandler Wichbest
Angelina Kalitch Schaffer
Natasha Tudor Sparks
Nágila P. Keller McCready
Emma Sparrow Ziegler
Maxine Norris Wichbest
Roman Von Ziegler
Mary Wolstonecraft Godwin
Nyx Prince El Bianco
Savonya Seawor. Kaminskov
Viktor Firebird Halász
Gwen Carter Bolton
Tereza Ella Von Ziegler
Farlan Rathbone Vaughan
Dante Nottingham Krochan
Evan Hessen Nottingham
Diretor Alvoros Grunnion
55 participantes
Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4
AutorMensagem
Diretor Alvoros Grunnion
Diretor
Diretor
Diretor Alvoros Grunnion

Patrono : Fênix
Bicho-papão : Diretor

Perfil Bruxo
Escola/Casa: Corvinal
Ano Escolar: Concluído
Varinha:

Bar de Cumberland - Página 4 Empty
MensagemAssunto: Bar de Cumberland   Bar de Cumberland - Página 4 I_icon_minitimeQui 12 Jan 2017, 22:52

Relembrando a primeira mensagem :

Bar de Cumberland

Edimburgo, Escócia


Bar de Cumberland - Página 4 KIAdl5P

Frequentado mais por escoceses do que turistas, apesar de ser convidativo à estrangeiros, o Bar de Cumberland é um bom lugar para aquelas pessoas que querem beber um pouco após trabalhar durante o dia inteiro, onde seus clientes poderão escolher entre uma enorme variedade de cervejas e também acompanharem os principais eventos esportivos que acontecem no mundo e trazem atenção dos escoceses.

OBS.: Local protegido pela lista de Lugares Protegidos



RPGHogwarts.org


Alvoros Grunnion
Diretor da Escola de Magia e Bruxaria de  Hogwarts


Ações
- Falas
"Falas de outros personagens"
"Pensamentos"
Ir para o topo Ir para baixo

AutorMensagem
Nate Drozdov McBride
Procurados
Procurados
Nate Drozdov McBride

Patrono : Macaco-japonês

Perfil Bruxo
Escola/Casa: Sonserina
Ano Escolar: Concluído
Varinha: Pelo de Rabo de Testrálio, Aveleira, 30 cm, Maleável.

Bar de Cumberland - Página 4 Empty
MensagemAssunto: Re: Bar de Cumberland   Bar de Cumberland - Página 4 I_icon_minitimeQua 10 Mar 2021, 15:24

  Eu  ficava me recordando da época em que era um víper, e um dos membros mais desconhecidos pelos bruxos... até os combates contra o exército bretão começar. Sobrevivente do massacre em Hogwarts, de Hogsmeade e ainda por cima da excursão e proteção de Mag Mell, eu era agora um dos bruxos mais perigosos e caçados do continente, segundo, e reconhecido, pela própria ONU. Bom, para quem era um ajudante de barman antes, um barman meses depois e em seguida um dos mais próximos de Nyx na época do pico da guerra, eu tinha marcado meu nome na grã-bretanha. Enquanto bebia naquele bar, no corpo de uma mulher negra, com dread, lábios belos e olhos chamativos, via o olhar de cada pessoa ali que assistia o noticiário naquele momento, falando sobre minha suposta aparição em uma ilha na própria Escócia. As pessoas se dividiam sobre mim, não sabia se eu era do mal ou um injustiçado por estar tentando sobreviver. Saber que até os trouxas não eram totalmente contra os bruxos era ótimo. Havia um membro dos vípers em específico que me odiava, seu nome era Vickon. Embora ele dissesse várias vezes à lady que eu não era confiável, ela decidiu acreditar em meu potencial, e de certa forma fez certo, pois mesmo fora da guilda eu mantinha silêncio em lealdade à ela e principalmente como agradecimento por ter poupado minha vida após outra exposição bruxa ocorrer em alto-mar, próximo da ilha de Mag Mell. Eu sentia falta era de Ivy, que era uma das poucas que parecia gostar das minhas bobagens ditas. Quando a discussão no bar aumentou sobre mim, embora eles não soubessem quem eu realmente era por trás da poção polissuco, me retirei do local para evitar alguma descoberta. O mistério sobre onde eu estava continuava. Minha família McBride, ou boa parte deles, sofria com questionamentos bruxos sobre eles serem uma família aliada das forças das trevas ou não; quem dera tivesse muitos McBride envolvidos com os vípers, talvez eu teria sido enterrado vivo se dependesse deles. Os McBride nunca gostaram de mim, a maioria me odiava, aliás. E ao sair do bar, o bruxo renegado continuava seu caminho como um eremita... o exército nunca me encontraria se dependesse de minha disposição em se manter oculto. Logo dali me retirei.


— Oh shit, a rat! ; let me love, let me love you
Ir para o topo Ir para baixo
Brooke Sinclair McBride
Mercenário
Mercenário
Brooke Sinclair McBride

Bicho-papão : Imagem de Florence morta por sua culpa

Perfil Bruxo
Escola/Casa: Grifinória
Ano Escolar: Formado
Varinha: Corda de Coração de Dragão, Espinheiro-Negro, 29cm, Rígida.

Bar de Cumberland - Página 4 Empty
MensagemAssunto: Re: Bar de Cumberland   Bar de Cumberland - Página 4 I_icon_minitimeQui 13 Maio 2021, 13:17

Procurando soluções... ou mais problemas
Fazia algum tempo desde que eu estava precisando de uma mãozinha no meu hobbie. Tipo, não que eu não desse conta, mas eu gostava de companhia também, embora eu trabalhasse melhor sozinha. Decidi que arriscaria de certa forma, não custava tentar né? Minha maior dificuldade era me livrar dos corpos que eu acabava por matar. Pesados, mal cheirosos muitas vezes, totalmente desnecessários. Infelizmente não tinha muito o que fazer, a não ser me adaptar. Então procuraria um parceiro, certamente. Sim, um homem, eu não saberia trabalhar com uma mulher, isso provavelmente me faria sentir atração pela mesma, e eu poderia correr o risco de misturar o sentimental com o profissional. Esse tipo de lance não combinava comigo, já que putz, se eu passasse a me interessar verdadeiramente por alguém, isso seria um ponto fraco, e sabe-se lá o que eu seria capaz de fazer. Nossa Brooke! Mas quantos pensamentos! É, eu me conheço bem o suficiente para me prevenir desse tipo de furada. Enfim, eu precisava aproveitar do tempo que eu tinha fora da ilha de Alderney, afinal a qualquer momento, Nyx poderia dar a louca e solicitar que voltássemos por motivos maiores... como eu não ficaria parada, prosseguiria com minha matança. Falando em matança, nos últimos meses, minhas vítimas eram sempre do sexo masculino, com alguma relação a abusos e afins, provavelmente uma ética que eu adotei sem nem perceber. O ponto era, a última mulher que assassinei não saia da minha cabeça; sua varinha ainda estava comigo, e eu tinha de sumir com ela de alguma forma. Nada bom, nem um pouco satisfatório... como se não bastasse, eu sabia seu nome, e sabia a qual família pertencera. A minha, inclusive, eu havia matado uma Sinclair inocente. Isso me custou a vergonha... pude ver suas filhas desoladas pelo falecimento da mãe, ou melhor, o desaparecimento. Apenas eu sabia do paradeiro de seu corpo, e temia que ela fizesse uma visitinha a casa da família, em sua forma espectral de fantasma. Isso me arrepiava toda... Sigrid, minha mãe de consideração, jamais perdoaria o que eu fiz, já sabendo que eu era uma víper, matar alguém sangue do meu sangue a faria me afastar permanentemente da família, mas eu simplesmente não dormia direito pensando que eu estava guardando esse segredo dela. Sigrid era minha confidente, sabia sobre tudo em minha vida, ela me criou afinal! Isso, em meu ponto de vista meu e dela, era a mais pura traição.... foda-se! Ela não saberia por enquanto, então vamos voltar ao real motivo que me trouxera a um barzinho cafona nas terras altas da Escócia, porque céus, aquele lugar não combinava nada comigo. Não tinha nem mesmo cheiro de pinga!

Adentrei com a maior cara de bunda possível ali dentro. Naquele dia, eu trajava um vestido longo vermelho - você não leu errado, eu usava vestido sim quando bem queria -, mas meu coturno era de praxe como sempre. Ali eu aguardaria por pretendentes ao trabalho proporcionado por mim, pagaria muito bem inclusive. Mas porra Brooke, como caralhos algum bruxo vai chegar ali, de repente, e aceitar o trampo? Fácil. Eu havia espalhado por todos os cantos cartazes enfeitiçados, caso fosse um trouxa, não veria nada mais nada menos que um folhetim de procura-se um Poodle, enquanto um bruxo leria algo como: procura-se funcionário que consiga trabalhar com cargas pesadas, pago bem por missão, e não precisa necessariamente de experiência para isso. É claro que, no cartaz ele deixaria bem explicito que uma entrevista básica seria necessária antes da contratação, era como entregar currículo mesmo, por isso eu acabei nesse barzinho brega. Seria meu local de encontro com quem quer que estivesse interessado... old que, eu especifiquei minhas preferencias também, nada de mulheres. Seja você uma lutadora de UFC ou não! Enfim, mais ou menos isso... caminhei para um canto mais afastado dos clientes já presentes no bar de Cumberland, escolhendo uma mesa de apenas duas cadeiras, nada mais ou menos. Cruzei os braços meio impaciente, eu sabia que alguém apareceria, era ganhar dinheiro fácil! Eu só não contava com tantos charlatões e imbecis sentados à minha frente. Primeiro fora um idoso, meio conservado, mas idoso. Ele caía aos pedaços tanto quanto seus dentes, mas dizia a todo momento que era ótimo parar carregar coisas pesadas. Fiz um teste... solicitei que levantasse ao menos a cadeira que estava sentado, mas nem isso ele conseguira. Patético. Outros dois apareceram, um muito pequeno e magricela, e o outro estabanado demais. Passara pela porta derrubando três bandejas no balcão do bar, sem nenhuma dificuldade. Não, não, não! Eu não precisava de mais problemas, queria uma solução para eles... então, depois vinte minutos de tortura com cada figurão que aparecera, meu desejo adentrou no recinto. Um puta desejão! O moleque era enorme, e digo moleque porque, seu rosto aparentava juventude. Ah, mas gênia, como eles saberiam quem procurar quando estivessem no bar? Ora, eu também deixei bem explícito as vestes que usaria naquele final de tarde, então não fora difícil vê-lo se aproximar da minha pessoa. — Um meio gigante? — Questionei ao rapaz, que emanava uma vibe muito pura, tão pura quanto a de uma criança de sete anos. Pelos deuses... eu estava fazendo um show de humor, gratuito ainda, procurando pessoas assim. — Sente-se. — Peço apontando para a cadeira, pensando se ele a quebraria com seu peso. Sério, ele era enorme. — Florence. E você..? — Arqueei a sobrancelha, puxando a caderneta de anotações pela primeira vez desde os homens anteriores que passaram por mim. Ele muito me interessava, melhor do que um trol.
Com o Bo.


The lives that I fake
Going
The vows that I break
To
The ways that I hurt
Hell
Ir para o topo Ir para baixo
Antwon McBride Salvatore
Professor de Hogwarts
Professor de Hogwarts
Antwon McBride Salvatore


Perfil Bruxo
Escola/Casa: Durmstrang (Escandinávia)
Ano Escolar: Concluído
Varinha: Pelo de Nundu, Olmo, 32 cm, Inflexível

Bar de Cumberland - Página 4 Empty
MensagemAssunto: Re: Bar de Cumberland   Bar de Cumberland - Página 4 I_icon_minitimeSab 05 Jun 2021, 01:53

THE SECOND STEP
Todo papo sobre quadribol serviu como um grande esquenta para tudo que teríamos de lidar, o que era bem bizarro, visto que estávamos só nos primeiros momentos de um grande reencontro, o que me fez dar um sorrisinho maroto. — O que acha de irmos para uma mesa mais isolada do bar? — Perguntei de um modo sincero, pois estava começando a encher e ficar insuportável, uma vez em uma das mesas, fomos servidos de algumas doses de bebidas. Ficamos um bom tempo sentados e conversando, até que o bar foi esvaziando de novo, então eu dei a ideia de irmos para os McBrides que eram relativamente próximos do bar, então pagamos pelas bebidas e aparatamos para os McBrides. Maya e eu saímos dali.


JEFFREY ANTWON MCBRIDE SALVATORE

CAUSE THIS IS TORTUROUS... THE ELECTRICITY BETWEEN BOTH OF US AND THIS IS DANGEROUS.
Ir para o topo Ir para baixo
Muriel Fallen Wichbest
Sociedade Estudantil - Estudante
Sociedade Estudantil - Estudante
Muriel Fallen Wichbest

Bicho-papão : perder a memória

Perfil Bruxo
Escola/Casa: Lufa-Lufa
Ano Escolar: Formado
Varinha: Lasca de Casco de Centauro, Aveleira, 26cm, Maleável.

Bar de Cumberland - Página 4 Empty
MensagemAssunto: Re: Bar de Cumberland   Bar de Cumberland - Página 4 I_icon_minitimeSex 02 Jul 2021, 22:39

Inizia Una Ricerca
Rapporto sul Quidditch
Sentada em uma mesa mais afastada das demais, segurava comigo algumas edições antigas do Profeta Diário, mais precisamente algumas páginas relacionadas aos esportes bruxos, principalmente o quadribol. Havia uma atividade a ser feita para minha matéria de prática de pesquisa em comunicação em conjunto com a de jornal laboratorial, e minha ideia inicial era conhecer um pouco melhor a construção das matérias voltadas para essa temática esportiva. Por sorte, ao iniciar meus estudos, por ser sido mandada para o Profeta Diário fazer uma pesquisa de campo e compreender melhor o funcionamento do local, acabei tendo a chance de conhecer a editora-chefe e acabei mantendo seu contato, conseguindo pedir-lhe matérias que o Profeta realizou sobre esse tema. Haviam muitas, é claro, mas por sorte consegui várias voltadas para o quadribol, bem como focadas em Hogwarts mesmo. Não tinha pretensão alguma de copiar ou me basear no que já existia, sendo que minha intenção era mais conhecer a mais a respeito deste tipo de matéria e partir com minhas próprias pesquisas. Passei os olhos pelas informações contidas nas páginas do jornal e aos poucos comecei a circular aquilo que considerava importante e que possivelmente me auxiliaria a encontrar novas informações, em seguida, usei um diário que costumava anotar informações de aula e escrevi um pouco a respeito do que havia encontrado pelas matérias, como por exemplo o fato de que muitos dos jogadores entrevistados, na época da entrevista, eram jovens o suficiente para estarem em Hogwarts ou terem se formado há pouco. Isso fez com que eu me lembrasse do fato de que o jornal da Sociedade Estudantil tinha como um dos objetivos uma comemoração especial pelo retorno da copa de quadribol de Hogwarts. No meio do caderno havia um pedaço de pergaminho com uma lista extensa dos atuais jogadores de cada time, algo que já tinha escrito há alguns dias e pretendia fazer uso em algum momento. — Talvez haja algum jogador que ainda cursa Hogwarts, quem sabe? — Pensava.

Após tomar um gole de café recém pedido para a garçonete do local, voltei minha atenção para a lista de jogadores e fazia um traço no meio dos nomes que tinha consciência de serem mais velhos, o que significava que não estavam mais em Hogwarts ou pelo menos que se formaram há um tempo considerável, descartando-os da pesquisa. Mesmo já fazendo algum tempo desde que iniciei aquela pesquisa, ainda não havia pensado em como escrever o artigo, talvez por ainda ter milhares de ideias e não ter tido coragem de descartar nenhuma. — Se eu conseguir alguém para entrevistar, talvez eu consiga saber em qual direção posso levar o produto final. — Meus resmungos eram algo mais comigo mesma, sentindo-me lerda por não ter definido uma finalização, muito embora já tivesse passado do ponto de partida. Pegando meu diário com ambas as mãos, trouxe-o para mais perto de mim, analisando algumas páginas anteriores àquela que escrevia, buscando por anotações que talvez pudessem me dar uma luz sobre qual dos jogadores ainda não riscados eu poderia conversar. Por mais intensificada que minha memória fosse, ainda faltavam informações para que eu pudesse saber o quê, realmente, era necessário que eu lembrasse, então esperava que passando os olhos nas anotações minha memória emocional pudesse ajudar. Foi então que encontrei em uma das páginas algo interessante. Havia apenas uma coisa escrita e circulada várias vezes: Vespas de Wimbourne. Arqueei a sobrancelha, refletindo sobre o que aquilo poderia significar e então me lembrei que no time haviam jogadores demasiadamente novos, então talvez fosse possível encontrar a faixa etária que estava buscando. Rapidamente, anotei o nome dos jogadores do time ainda naquela folha, onde o time estava com seu nome circulado várias vezes, e segui escrevendo a respeito de enviar uma carta para a capitã do mesmo, afinal, precisava de informações e ela saberia mais sobre todos do que um jogador comum.

Foi então que me dei conta: eu tinha um plano. De repente, ao analisar com cuidado os recortes de jornal que haviam comigo, as anotações com nomes de jogadores, time e outros detalhes recém adquiridos, como o fato de muitos, na época das entrevistas, serem de uma idade inferior aos 21 anos, me dei conta de que já estava traçando uma linha de pesquisa e talvez tivesse um assunto interessante para publicar, mas mesmo com o que eu tinha até o momento, precisaria de um maior embasamento e até mesmo de uma pesquisa que me permitisse adentrar mais no campo desse esporte. Uma ida até Mag Mell poderia ser necessária, onde eu poderia conversar com os jogadores e conhecer o campo que haviam construído por lá. Outra abordagem, no entanto, seria uma ida até Hogsmeade, onde eu conseguiria conversar um pouco com o responsável pela loja de artigos esportivos do local e, também, ter um certo acesso aos alunos do castelo sem necessariamente precisar adentrar a escola. Assim eu conseguiria conversar com alguns e descobrir mais a respeito dos alunos que de fato jogavam pelas casas e tinham algum interesse em seguir carreira no futuro. Meu objetivo em levar aquela pesquisa adiante? Simples: falar a respeito de como o esporte pode afetar os jovens de maneira positiva, incentivando-os. Afinal de contas, o quadribol era uma das possibilidades mais acessíveis para os alunos, ao mesmo tempo em que tinham, sim, o seu nível de dificuldade. Desse modo, queria compreender como os jovens chegavam tão cedo ao posto de jogadores oficiais de um time profissional e quais as expectativas colocadas neles após assinarem contrato. Conversar com alunos que apenas jogavam pelas casas, alunos que jogavam num time e formados contratados logo depois, me permitiria esboçar uma perspectiva e entrar um pouco mais nesse mundo esportivo que eu mesma quase não conhecia.

Fechei meu diário e dobrei os recortes de jornal, colocando-os dentro da bolsa de fundo extensível que trouxera comigo, e então paguei o que consumi. Tendo formulado como pretendia fazer as coisas, decidi seguir com a pesquisa e ir atrás de pessoas que pudessem, de fato, endossar aquilo que pretendia escrever. Começaria indo até Hogsmeade e depois enviaria uma carta para a capitã do Vespas. — Espero que isso dê certo. — Assim, deixei o local.


Muriel Fallen Wichbest
Bar de Cumberland - Página 4 L3OHHyn
Bar de Cumberland - Página 4 GwDR8B3
estudante de especialização em literatura e jornalismo (se), filha de freya, memória fotográfica
Ir para o topo Ir para baixo
Lorenzo Habsburg Lewis
Sociedade Bruxa - Adulto
Sociedade Bruxa - Adulto
Lorenzo Habsburg Lewis

Patrono : Leopardo-nebuloso

Perfil Bruxo
Escola/Casa: Lufa-Lufa
Ano Escolar: Concluído
Varinha: Cabelo de Veela, Cipreste, 29 cm, Maleável

Bar de Cumberland - Página 4 Empty
MensagemAssunto: Re: Bar de Cumberland   Bar de Cumberland - Página 4 I_icon_minitimeTer 21 Set 2021, 04:16

Meus pés seguiam até a entrada do famoso bar de Cumberland. Desta vez, havia decidido por um ambiente calmo, mas movimentado, até porque eu estava realmente cansado de me sentir tão isolado de todos. Eu havia tirado um tempo de todos os estudos em relação a arquitetura do meu projeto de empreendimento e precisava de um pouco de lazer. Era esgotante passar quase vinte e quatro horas analisando plantas e mais plantas... eu precisava de um tempo para mim. Logo, adentrei as portas envidraçadas, já retirando minhas luvas e me acomodando em uma das mesas vagas. Diferente de antes, agora me sentia como caminhando em um país tropical – a calefação talvez estivesse pouco exagerada ou talvez fosse apenas o calor humano. Não demorou e eu me surpreendi com a rapidez de um garçom quanto ao entregar-me o cardápio. Por vezes, meus olhos divagavam pelas pessoas ao redor, encontrando diversos tipos de jovens e grupos de amigos - Uma cerveja só. Bem gelada, ok? – solicitei risonho ao rapaz que anotava meu pedido e já se afastava. Momentos se passaram até que finalmente consegui degustar de minha bebida. Logo mais, saí dali.
Ir para o topo Ir para baixo
 
Bar de Cumberland
Ir para o topo 
Página 4 de 4Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4

Permissão neste fórum:Você não pode responder aos tópicos
 :: Ilhas Britânicas :: Norte da Grã-Bretanha-
Ir para: